O GÁS METANO E O DILÚVIO

Um paleoclimatologista (estudioso do clima terrestre antigo) da Universidade da Califórnia em Los Angeles examinou amostras de gelo de geleiras que foram datadas como pertencentes à Era Glacial. O relato da revista Science News menciona que as bolhas de ar aprisionadas no gelo indicam que a Terra teve muito mais metano na atmosfera, ... conforme diz ele ..., a cerca de 10.000 anos atrás. (Science News, 07/01/04, p. 37). Acho que o relato está certo, ... mas a data não.

O que poderia explicar o excesso de metano? Bem, acontece que pântanos e turfeiras produzem muito metano com o apodrecimento das plantas. Pode-se destacar que pântanos recém-formados podem produzir esse gás seis vezes mais rapidamente. No modelo criacionista da história da Terra, o dilúvio disparou a Era Glacial globalmente. Durante o dilúvio, todas as florestas do mundo teriam tido suas árvores arrancadas e criando enormes concentrações de troncos e galhos flutuando na água. Com a recessão das águas após o dilúvio, toda essa massa vegetal ter-se-ia reunido em gigantescos regiões pantanosas, criando os combustíveis fósseis que hoje encontramos nas camadas carboníferas da crostra terrestre. Assim, ... cerca de 4000 anos atrás, houve um grande aumento de metano na atmosfera ..., o qual é um expressivo gás causador do efeito estufa. Isso explicaria perfeitamente porque a Era Glacial admitida pelos criacionistas durou apenas cerca de 300 anos! O metano fez com que ela terminasse bastante rapidamente. De fato, no ano passado foi descoberto que a Era Glacial terminou mesmo repentinamente ... somente em poucas décadas, ... e não milhões de anos.

Continue a pensar!

Dr. Glenn C. Jackson (20/2/04)


Glenn C. Jackson (03/04/2004)   [19]
Você está aqui: Home Notícias O GÁS METANO E O DILÚVIO